sábado, 30 de abril de 2011

"Vida de Jesus ditada por Ele mesmo" pela Editora & Distribuidora 33: um caso de falsificação histórica

(Voltando a estas bandas depois de quase 8 meses de "recesso"...)

Estive organizando os e-mails de uma antiga conta que possuo e redescobri algumas trocas de mensagens que acredito interessarem ao leitor que, como eu, almeja por uma correta contribuição das editoras nas obras que trazem à público. É do que trataremos neste e no post seguinte.

Aconteceu em 04/08/06. Eu ainda não possuía um exemplar do livro "Vida de Jesus ditada por Ele mesmo" e apenas havia feito uma pesquisa na Internet a respeito dele. Foi então que entrei em contato com Darci Dickel, responsável pela Ed. & Distrib. 33, fazendo a seguinte colocação:

Em pesquisas na Internet, tenho encontrado as mais diversas datas para a obra "Vida de Jesus Ditada por Ele Mesmo": 1830, 1835, 1865, 1885... A que me pareceu mais confiável, por se tratar da esboçada por dois sites que referiam-se diretamente à informação da Editora Freitas Bastos, foi 1885. Porém, visitando o site de vocês, www.novaordemdejesus.com.br, verifiquei que a data associada ao livro é 1835. Gostaria de alguns esclarecimentos.

A resposta, datada de 07/08/06, foi a seguinte:

Realmente o livro Vida de Jesus ditada por Ele mesmo vinha sendo publicado pela editora Freitas Bastos - RJ. Porém em junho 2004 a atual Editora e Distribuidora 33 comprou direitos autorais e editoriais deste e outros livros que fazem parte da Grande Cruzada de Esclarecimento. A data correta é a que consta no site Nova Ordem de Jesus (feito pela Editora 33).

Ou seja, a data correta seria 1835. Mas não me convenceu. Tanto é que, no mesmo dia, enviei a Darci um e-mail contendo o seguinte:

Ainda assim, tenho minhas dúvidas. É no mínimo estranho que as obras da Codificação, sendo posteriores a 1835 e anteriores a 1885, não exibam quaisquer considerações sobre "Vida de Jesus Ditada por Ele Mesmo" (até onde sei, nada falam). Foi este, também, um dos motivos por que achei que a data 1885 era a mais provável.

Pois bem. O tempo passou, e acabei adquirindo a 3a. ed. brasileira de "Vida de Jesus", de 1955, publicada pela extinta Ed. São Raphael (Rio de Janeiro - RJ). Como pude observar, o ano correto da edição original da obra, em francês, era 1885, não 1835. Entrei então novamente em contato com Darci Dickel. Isto em 16/01/07:

(...) Possuo a 3a edição de "Vida de Jesus Ditada por Ele Mesmo", publicada pela Editora São Raphael Ltda., em 1955. No "Preâmbulo da Primeira Edição", constante do mesmo livro, Sebastião Caramuru diz "... em 1885, em Avinhão, antiga cidade do sul desse país, outrora residência dos papas franceses, Jesus de Nazareth consubstanciou, nestas páginas por ele mesmo ditadas, este grande monumento de história e de religião". Mais à frente, em "Prefácio do Senhor Volpi", o benemérito capitão italiano nos diz: "Em 1885 o Anti-Materialista, de Avinhão, revista dirigida pelo sr. René Caillé, publicou esta obra obtida medianimicamente em francês". Ou seja, são duas referências de que a obra teria sido mesmo publicada pela primeira vez em 1885. (...)
Eu ficaria muito grato por alguma explicação de sua parte. Afinal, é você que edita atualmente o referido livro, e deveria ser o mais interessado em apresentar aos leitores informações fidedignas. Isto denotaria respeito.


Darci então respondeu o seguinte, em 17/01/07:

Também nós tivemos a mesma dúvida quanto ao ano, 1835 ou 1885, mudar(trocar) um "3" por "8" em datilografia é fácil, o visual de ambos pode facilmente confundir.
O que nos levou a acreditar ser 1835 a data correta foi o seguinte:
Preâmbulo da Primeira Edição - assinado por Sebastião Caramuru - no inicio da nona nova linha, ainda na primeira página diz:
"Por Jesus, o mesmo celeste embaixador, recebíamos a luz da terceira revelação: estava, pois, fundado o Espiritismo".
Se foi essa a obra que fundou o espiritismo é óbvio que só pode ter sido editada antes de Kardec, que publicou seus livros por volta de 1860. Em outras palavras, se a obra do Nosso Senhor Jesus tivesse sido publicada em 1885 ela não poderia ser citada como o fundamento do espiritismo e sim uma continuação deste.
Eventuais dúvidas terei prazer em dirimir.


A resposta já começou estranha, pois como eles poderiam ter tido a mesma dúvida se em todas as edições de "Vida de Jesus ditada por Ele mesmo" anteriores a 2004, ou seja, anteriores à compra pela Ed. & Distrib. 33 dos direitos de publicação deste livro, aparecia somente a data 1885?... Bem, foi aí que a coisa começou a me cheirar à falsificação histórica pura e simples. Mandei então a Darci Dickel, no mesmo dia 17/01/07, a seguinte mensagem:

Você está deixando de levar em conta 3 referências (achei mais uma: na orelha do livro que possuo) que afirmam ser 1885 o ano correto - uma delas do próprio Caramuru - para se basear em uma afirmação, sem indicativos de data, deste referido tradutor. Observe que ele já deu mostras mais que suficientes que nada sabia sobre a história do Espiritismo, visto que afirmara que Kardec publicou o primeiro livro da Codificação em 1865, quando este o fizera, na realidade, em 1857! Não seria muito mais confiável seguir a afirmação do capitão Volpi? Afinal, ele teve em mãos a primeira edição, francesa...

Ao que o editor replicou (ainda em 17/01/07):

(...) Acredito que trocar um 3 por um 8 seja mais fácil do que errar uma afirmativa, uma fraze inteira.
Considerando que a sua posição seja correta, verdadeira, teremos criado um outro problema, ou seja, a afirmativa do Sebastão Caramuru estará errada. Estaremos trocando um erro por outro. Por isso eu acredito no seguinte: O Nosso Senhor Jesus, ha dois mil anos, prometeu enviar o consolador, que todos acreditavam ser um individuo, uma pessoa, e que hoje sabemos se tratava da Doutrina Espírita. Porque Ele prometeu, eu acredito que ele tenha dado o "pontapé inicial" na transmissão dos ensinamentos doutrinários.
Por isso, hoje, fico feliz e satisfeito acreditando que foi Nosso Senhor Jesus o autor da primeira obra da 3ª revelação.
Alguém tinha que ser o precursor, e ninguém melhor, ninguém com mais merecimento do que Ele para iniciar essa grande revolução educacional. Com essa afirmativa não pretende desmerecer ninguém, apenas dar o crédito ao Espírito que também foi responsável pelo trabalho de Moisés(1ª revelação) e a segunda 2ª revelação que Ele próprio nos trouxe. Assim sendo, na minha humilde opinião, acreditando que foi Ele, faço justiça ao Espírito que está ha milênios trabalhando pela nossa evolução.


Observaram o teor dos "argumentos"?...

Já então sem dúvidas de que estava mesmo diante de uma falsificação histórica, mandei-lhe então, em 18/01/07, um e-mail cujo conteúdo reproduzo abaixo:

(...) Ainda que a frase (com s!) de Caramuru fosse absolutamente clara, o que não é, ainda assim trocar um 3 por um 8 três vezes, uma delas pelo primeiro tradutor do livro em outra língua (Volpi), não é mais fácil que errar uma afirmativa por quem já errou feio, como afirmar que o primeiro livro da Codificação foi publicado em 1865, quando nesta data já haviam sido publicados quase todos; é muito mais difícil. Observe a progressão e veja que, mesmo na afirmativa de Caramuru, há indícios que "A Vida de Jesus" é posterior à Codificação:
Quando o Gólgota os padres fizeram levantar a cruz supliciadora do divino enviado, completava-se a segunda revelação: estava fundado o Cristianismo.
Na França, em 1865, Allan Kardec publicou o primeiro volume de coordenação da doutrina dos espíritos, e em 1885, em Avinhão, (...) Jesus de Nazareth consubstanciou (...)
Por Jesus, o mesmo celeste embaixador, recebíamos a luz da terceira revelação: estava, pois, fundado o Espiritismo.
Esqueça as datas, já que lhe convém, e veja a ordem temporal: suplício de Jesus, Codificação, "A Vida de Jesus"... Além disso, observe que Caramuru somente considerou o Cristianismo fundado com a morte de Jesus. Este é um detalhe importante. Assim, poderíamos fazer a seguinte analogia: início da pregação de Jesus / Codificação; morte de Jesus (fundação do Cristianismo) / "A Vida de Jesus" (fundação do Espiritismo). Veja como é lógico. Se seguíssemos a tua idéia, contrariamente, a fundação do Cristianismo deveria corresponder ao início da pregação de Cristo.
Fui o mais didático que pude e, apesar dos meus vinte e poucos anos, não tenho mais paciência para ficar discutindo isto. Saiba que acreditando que foi Ele o primeiro autor da 3a revelação você não está fazendo jus ao Governador Planetário, mas apenas adotando uma atitude fanática e anti-histórica. Não existe crença superior à verdade dos fatos.


Ao qual seguiu-se outro em que eu disse o seguinte:

Em meu último e-mail externei a opinião que não iria mais discutir sobre a data da edição francesa (1a) de "A Vida de Jesus ditada por Ele mesmo". Porém, talvez por inspiração, após lhe remeter a mensagem, abro o referido livro e ...
Confirma implicitamente as afirmações do Sr. Allan Kardec, sem se referir ao coordenador, e o explica em certos pontos essenciais, que este, ou não tratou, ou o fez confusamente. (Prefácio do Senhor Volpi, §4)
Precisa de mais alguma prova que "A Vida de Jesus" é posterior à Codificação?
Paz e discernimento!

Bem, nem preciso falar que o referido nunca mais entrou em contato comigo... E a falsificação histórica continua lá, escancarada, nas páginas do livro em sua versão pela Ed. & Distrib. 33. Nas edições da obra por esta editora (a partir de 2004), em todo lugar onde aparecia o ano 1885, data de sua publicação original, em francês, passou a constar o ano 1835. Inclusive é esta última data, a falsificada, que aparece na descrição da obra no sítio da Ed. & Distrib. 33 (aqui). É muita picaretagem...